quinta-feira, 22 de julho de 2010

Cinco meses


O celular desperta às 8 am. 8:30 am (porque é assim que os americanos escrevem as horas) não é um horário ruim para se começar a trabalhar. Até porque tem sido difícil deitar antes da meia noite. Arrumar-me, dar uma olhadinha rápida na internet para não perder o costume. Mandar e-mail diário para a mãe. Subir para o andar de cima.

Preparar café da manhã. Meu e deles. As crianças. Passar o dia com duas criaturinhas que mal batem na cintura. Tem horas tão gratificantes, que a vontade é apertá-los até a bochecha cair da cara.

- Eu quero doce!!! (Em inglês)
- Como se diz??? (Em inglês)
- POR FAVOR! (Em um português de "R" puxado)

E tem hora que a vontade é descabelar-me. Exige muita paciência, não nego. Acreditarei até o fim que esse é meu maior aprendizado dessa experiência toda. Deixar de ser uma pessoa impaciente.

Quebrar as unhas brincando de Lego. Tomar um solzinho na piscina. Dirigir mais de meia hora para nos juntarmos às crianças de outras amigas au pairs.

Dirigir. São nas horas que estou dentro do carro, de janelas fechadas, ar condicionado ligado, minha playlist tocando, cantando, vendo aquele monte de árvores, áreas verdes, casas... que eu mais agradeço por estar aqui.

Gastar meus fins de tarde e as noites da semana com diversos passatempos: correr, fazer as unhas, Wal Mart, Hallmark, Target, junk food, cozinhar, shopping, TV, So You Think You Can Dance, e, é claro, minha fiel companheira internet. Reservo esse período do dia para matar quem me mata. A saudade. Msn, redes sociais e o salva-vidas Skype.

E então, chegam eles. Os finais de semana. Eu adoro minhas semanas, mas são os findes que fazem tudo valer a pena. Ter um estado (e por que não um país?) inteirinho pra conhecer. Qualquer lugar que vá é novidade. E mesmo que visite pela segunda (terceira, quarta...) vez, a sensação de viagem, de turista realizado, vai estar sempre presente. É surreal estar na capital da maior potência mundial. Ver de perto o que só conhecia por TV, foto, imaginação. Ouvir o DJ na balada dizer: "We are in the most powerful city in the world"! Balada. Nunca fui muito de ir em clubs, mas aqui parece ser exigência. Fim de semana e balada são quase sinônimos. E isso me diverte. São nesses ambientes que é possível reparar na cultura e comportamento americanos na melhor de suas formas. São delas que saem as melhores histórias.

E o domingo será sempre o mesmo em qualquer parte do país: melancólico, nostálgico, com cara de fim de festa.

E começa tudo de novo...

6 comentários:

Rodolfo disse...

Que bacana saber que está feliz aí na "América". Consigo te entender. Tem coisa que você escreve que eu poderia "copiar e colar" pra falar sobre a minha experiência fora do Brasil, só mudando os nomes.
Domingo é melancólico mesmo. Em Londres descobri que trabalhar de domingo te traz mais felicidade do que não fazer nada. Sei lá, quebrava a rotina. Me sentia bem.
Boa sorte ae Bidola!
Take care.
xx

Stela disse...

Sim, 5 meses muda muita coisa! e que bom que está sendo ótimo pra vc! adorei ler sua rotina! que continue assim nos próximos 5 meses! e sempre mudando... pra melhor!

Mirela das Neves disse...

Puts demais o relato!!!
Dá até um friozinho na barriga, quando me imagino passando por essas sensações quando eu conhecer o Velho Mundo... (até nisso, tenho espírito velho. kkkk)
=]

Rafaela disse...

Olá Brenda!!! ainda sabe quem sou eu?? heheheh
Li seus posts e fiquei encantada!! Como vc está escrevendo bemmm!!! Vc é capaz de envolver o leitor e fazê-lo rir e lacrimejar. Parabéns!

Rafaela Salvaia

Brenda disse...

NOSSA, Rafaaa!!
Primeiro de turo, QUANTO TEMPOOO!!! Como vc tá!?
Segundo, aaaaiii que fofaaaa! Obrigadaaa! xD Fiquei muito feliz com o comentário!!!!

Beijo, Dorfo, Ste e Mi!

Rodrigo Kivitz disse...

Escreva sobre o Kings of Leon e os outros shows que assistiu.